Nas décadas de 60 e 70, na confluência das Ruas 21 de Abril e Luiz Gama, funcionava a famosa esquina do pecado, assim batizada por ser o local onde aposentados, remediados e desocupados, sem terem muito que fazer, tomavam cafezinhos no bar então ali existente e passavam a vida dos outros a limpo. Tudo se sabia, tudo se comentava. O tempo passou, o bar fechou, a área se transformou em Calçadão (década de 80), mas o ponto de encontro continuou, especialmente para os da chamada Terceira Idade. É impressionante o número deles que disputam os muitos bancos em frente à Tânger, em especial.

            Quarta-feira última, véspera do Corpus Christi, tive que ir ao Bradesco acertar umas contas. Pouco saio, mas naquele dia tive que fazê-lo. Peguei carona com meu filho e combinei buscar-me em uma hora, pois acreditava ser tempo suficiente para enfrentar a longa fila que se formava naquela casa bancária. Tive sorte e em quinze minutos tudo resolvi. Agora, tão somente restava-me aguardar a carona. Que fazer para que os minutos passassem mais depressa? A única alternativa era sentar-me num os bancos do Calçadão e aguardar...

            A cidade fervilhava de gente e veículos. Parecia que eu estava num autentico formigueiro humano. Corri buscando o cantinho de um banco onde já estavam quatro pessoas, em que apenas uma não era idosa e aparentava ser filho de uma das outras. Mal me sentei e ouvi: ¨Cilmar, e a arquibancada do Linense vai mesmo sair?¨ Não tive tempo de responder, pois disparou em seguida: ¨Vamos ver se o Edgar (Prefeito) e o tal do deputado Mussi conseguirão! Político, sabe como é, né?¨. Apenas sorri. Um senhor calvo e com alguns cabelos brancos ladeando a cabeça, parecendo me conhecer, perguntou: ¨Quantos anos de rádio você tem?¨ Respondi-lhe que ano que vem completo 60 anos dedicados em sua maioria ao rádio linense. Indagou-me se não sentia saudades dos tempos de início de carreira. E acrescentou: ¨Naqueles tempos Lins era melhor, mais calma e tranquila. Podia-se sair à rua com segurança a qualquer hora do dia ou da noite.¨ Argumentei que eram outros tempos, a cidade havia crescido e com isso surgiram os problemas. Com olhos distantes e saudosos, desabafou: ¨A cidade não cresceu, inchou. Veja: Lins tem a maior frota de veículos do interior, o maior número de pessoas por metro quadrado, ou seja, tá inchada!¨  Fiquei com vontade de responder que se está inchada é porque sua população cresceu, mas preferi dizer-lhe algo positivo: ¨Mesmo assim, Lins está classificada como a terceira cidade brasileira para os da terceira idade viverem, dado a qualidade de vida que lhes proporciona.¨ O idoso não se deu por rogado: ¨Também pudera, aqui só tem funcionário público!¨ Percebi que a conversa poderia esquentar e dei graças a Deus quando ouvi a buzina do carro de meu filho. Era a minha carona salvadora...

София plus.google.com/102831918332158008841 EMSIEN-3
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 6
  • 7
  • 8
  • 9
  • 10
  • 11
  • 12
  • 13
  • 14
  • 15
  • 16
  • 17
  • 18
  • 19
  • 20
  • 21
  • 22
  • 23
  • 24
  • 25
  • 26