A ideia de que a cidade precisa atrair grandes empresas, capazes de gerar centenas e até milhares de empregos, faz parte do imaginário popular há décadas. Quinta-feira, em um encontro regional realizado em Lins, a Fecomércio mostrou que, pelo menos neste momento de crise, são as pequenas empresas, com até quatro funcionários, que estão gerando mais empregos.  No primeiro semestre de 2017, enquanto o comércio em geral gerou apenas cinco vagas, os pequenos estabelecimentos criaram 83 vagas (40 apenas no varejo de materiais de construção). No acumulado de doze meses (julho de 2016 a junho de 2017), um salto ainda maior, o saldo para os estabelecimentos com até quatro trabalhadores em seu quadro funcional é de 183 novos vínculos trabalhistas formais, e no quadro geral houve um acréscimo de 84 postos de trabalho.

Matéria completa na edição impressa.

Na foto - Representantes de várias cidades da região se reuniram em Lins na última quinta-feira (créd. Beno Bond)

София plus.google.com/102831918332158008841 EMSIEN-3
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 6
  • 7
  • 8
  • 9
  • 10
  • 11
  • 12
  • 13
  • 14
  • 15
  • 16
  • 17
  • 18
  • 19
  • 20
  • 21
  • 22
  • 23
  • 24
  • 25
  • 26
  • 27
  • 28
  • 29
  • 30
  • 31
  • 32
  • 33
  • 34
  • 35
  • 36
  • 37
  • 38
  • 39
  • 40
  • 41
  • 42
  • 43
  • 44
  • 45
  • 46
  • 47
  • 48